Servidores da agência dos Correios de Panambi aderem à greve nacional

Servidores das agências dos Correios de Panambi aderiram nesta quinta-feira (20) à greve nacional por tempo indeterminada. A paralisação da categoria foi anunciada nesta segunda-feira (17).

As entregas no município ficam comprometidas neste período. No entanto, as agências seguem abertas para retiradas de encomendas e demais serviços.

De acordo com a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas dos Correios e Similares (FENTECT), a classe tenta, desde o início de julho, dialogar com a direção dos Correios em torno da pauta de negociação. No entanto, além da empresa se negar a negociar, a categoria foi surpreendida desde o dia 1º de agosto com a revogação do atual Acordo Coletivo que estaria em vigência até 2021.

Foram retiradas 70 cláusulas com direitos como 30% do adicional de risco, vale alimentação, licença maternidade de 180 dias, auxílio creche, indenização de morte, auxílio creche, indenização de morte, auxílio para filhos com necessidades especiais, em uma atitude desumana impedindo tratamentos diferenciados e que garantem melhor qualidade de vida, pagamento de adicional noturno e horas extras. 

Além disso, eles reivindicam contra a privatização dos Correios, o aumento da participação dos trabalhadores no plano de saúde, gerando grande evasão, o sucateamento e a negligência com a saúde e vida dos servidores durante a pandemia da Covid-19.

“Em uma verdadeira batalha judicial, a FENTECT e seus sindicatos tiveram que acionar a Justiça para garantir equipamentos de segurança, alcool em gel, testagem e afastamento dos grupos de risco e aqueles que coabitam com grupos de risco ou possuem crianças em idade escolar”, consta em nota assinada pela federação.

“O governo Bolsonaro busca a qualquer custo vender um dos grandes patrimônios dos brasileiros, os Correios. Somos responsáveis por um dos serviços essenciais do país, que conta com lucro comprovado, e com áreas como atendimento ao e-commerce que cresce vertiginosamente e funciona como importante meio para alavancar a economia. Privatizar é impedir que milhares de pessoas possam ter acesso a esse serviço nos rincões desse país, de norte a sul, com custo muito inferior aos aplicados por outras empresas”, afirma o secretário geral da Fentect, José Rivaldo da Silva.

Em nota, os Correios afirmaram que um levantamento parcial, realizado na manhã desta quarta-feira (19), mostra que 83% dos 99 mil empregados prosseguem trabalhando regularmente.

Nas agências, serviços como consulta Limpa Nome Serasa, Achados e Perdidos, e agora, mais recentemente, a consulta para o Auxílio Emergencial, estão disponíveis à população. A postagem de cartas e encomendas, inclusive SEDEX e PAC, continua sendo realizada e as entregas estão ocorrendo em todos os municípios.

Nesse período de pandemia, as unidades estão seguindo as devidas medidas de segurança. Todas as agências têm controlado o fluxo de atendimento e organizado os clientes de acordo com a distância recomendada.

Para minimizar os impactos à população, diante a paralisação parcial dos empregados, a empresa reitera que já colocou em prática seu Plano de Continuidade de Negócios. Medidas como o deslocamento de empregados administrativos para auxiliar na operação, remanejamento de veículos e a realização de mutirões estão sendo adotadas.

Os índices de qualidade estão sendo monitorados e a empresa está atuando para reforçar o fluxo de entregas.

Servidores dos Correios de Panambi aderem à greve nacional.

Posted by Rádio Sulbrasileira on Thursday, August 20, 2020

Deixe uma Resposta

  
 WhatsApp