Região encerra a semana com 100% dos leitos de UTI ocupados

A região de Ijuí – que abrange Panambi, Condor e outros 18 municípios – encerra a semana todos os leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) ocupados. É o que apontam os dados disponibilizados nesta sexta-feira (14) pelo Mapa dos Leitos.

É a única região que registrou esta ocupação total de leitos, superando Porto Alegre (84%), Passo Fundo (82%), Novo Hamburgo (88%), Canoas (88,5%) e Capão da Canoa (93,4%). Atualmente, a taxa de ocupação do Rio Grande do Sul é de 77,8%, dos 2.476 leitos, 1927 estão ocupados.

No entanto, a grande maioria dos leitos estão sendo sendo utilizados para atender outras demandas que não estão associadas ao coronavírus. Dos 26 pacientes internados na região, sete (ou seja, 26,9%) estão infectados com Covid-19, um (3,8%) está com suspeita e 18 (ou seja, 69%) estão internados por outras comorbidades.

Os leitos de UTI da região são formados por 16 leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) e dez da rede privada. Embora apenas 13 da rede pública estejam ocupados, ou seja 81,2%, há três privados extras sendo utilizados, fazendo com que a taxa de ocupação deste tipo de leito aumentasse para 130%.

Há também oito pacientes infectados com Covid-19 e 14 com suspeita internados em leitos fora da UTI.

Conforme o Governo do Rio Grande do Sul, a taxa de ocupação de leitos de UTI é um dos principais números para a classificação do Distanciamento Controlado.

Além disso, a região de Ijuí apresentou um aumento consideráveis de caso e óbitos nesta semana, conforme os dados da 17ª Coordenadoria Regional da Saúde. Na segunda-feira (10), eram 954 pessoas infectadas e chegou na quinta-feira (13) com 1.019. Ou seja, um aumento de 65 casos. Já o número de mortes aumentou de 14 para 17.

A 17ª CRS não divulga o número de pacientes recuperados. Entanto, estima-se que mais de 700 pessoas já estão curadas.

O Governo do Rio Grande do Sul atualizará o mapa preliminar do distanciamento controlado no início da noite desta sexta-feira (14). Caso a região entre em bandeira vermelha, os municípios e associações regionais podem enviar um pedidos de reconsideração para que a classificação seja mudada. E, mesmo que permanece na vermelha, os municípios que não tiveram registro de hospitalização e óbito por Covid-19 de morador nos 14 dias anteriores ao levantamento entram na Regra 0-0. Neste caso, elas podem adotar protocolos previstos na bandeira laranja por meio de regulamento próprio. 

Deixe uma Resposta

  
 WhatsApp