Prefeito notifica a Corsan

Texto e foto: Assessoria de Imprensa da Prefeitura de Panambi

A Companhia Riograndense de Saneamento – Corsan é prestadora dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário em Panambi, e o contrato por 25 anos foi assinado em setembro de 2011.

Na questão do abastecimento de água, frequentemente as obrigações contratuais não estão sendo observadas pela Corsan em Panambi, deixando a desejar na execução dos serviços, com descontinuidade no abastecimento de água à população em alguns bairros, constante rompimentos na tubulação, com vazamentos de águas nas vias públicas, falta de aviso formal e expresso ao município quanto aos reparos e obras realizadas nas vias públicas, falta de sinalização das obras realizadas e durante a execução e falta de reparo adequado de vias e passeios públicos após as obras de conserto ou manutenção nas redes.

A Administração Municipal tem feito reiteradas notificações à Corsan, cobrando a obrigação de reparos das vias, pois, conforme o documento da notificação extrajudicial “nos casos em que executa o reparo, o faz de modo insatisfatório, deixando restos de materiais nas vias e passeios públicos, buracos e valas mal reparadas, sem sinalização, dentre outras irregularidades”. As notificações exigem a correção das irregularidades apontadas e a fiscalização está sendo feita com registros da situação.

Por outro lado, a Corsan comunicou a Administração Municipal que foi realizada a licitação para as obras de ampliação de tratamento e dos reservatórios que, segundo a companhia, são obras necessárias para reduzir a pressão na rede e, com isso, diminuir os vazamentos. Segundo o superintendente regional João Batista Corin, a licitação está em fase de julgamento, “se não houver recursos pelas empresas concorrentes, nesta semana vai para contrato”.

O Secretário de Infraestrutura Paulo Schwingel e o prefeito Daniel Hinnah tem sido enfáticos com a direção da Corsan, que os serviços prestados em Panambi precisam melhorar, sob pena de sanções à Corsan e inviabilidade de manter o contrato, pois as falhas tem gerado transtornos e riscos para a população panambiense.

Deixe uma Resposta

  
 WhatsApp