Panambi registra queda de 33% nas ocorrências de furtos

O número de furtos registrados em Panambi de janeiro a agosto de 2019 é o menor desde 2017, conforme levantamento da Rádio Sulbrasileira com base nos dados da Secretaria da Segurança Pública (SSP) do Estado.
Foram 143 a menos que no mesmo período de 2018, passando de 432 ocorrências para 289 – uma redução de 33%. Comparado a 2017, quando houve 363 registros, a redução é de 20%, 74 casos a menos.
A tendência é de que número total de ocorrências em 2019 será menor em comparação a quantidade registrada de janeiro a dezembro de 2018 (587 ao todo) e 2017  (573).
De acordo com os dados, Panambi encerrou este mês com 14 registros de furto a menos que em agosto de 2018 – uma redução de 30% – e 25 a menos que 2017 (43% menor). Ou seja, o menor número em três anos.
O ano de 2019 iniciou com 33 casos de furto em janeiro. No mês seguinte, passou para 34. Já em março, saltou para 57, um aumento de 67% em comparação a fevereiro. Em abril, baixou para 48.
A quantidade de furtos seguiu em queda em maio, passando para 28, 20 a menos que no mês anterior. Em junho, passou para 24. Já em julho, aumentou para 33 e chegou a 32 em agosto.
Ciclo de crimes
Em entrevista à Rádio Sulbrasileira, o delegado de Polícia de Panambi, Gustavo Fleury, afirma que, desde que assumiu em abril de 2018, são realizadas operações para combater os furtos. A primeira ação, no mesmo mês, ocorreu no Distrito Industrial, após uma onda de furto em empresas. O principal autor destes casos foi preso. Ao longo do tempo, várias pessoas acusadas de furto foram presas.
“A gente tentou, desde o ano passado, quando dava um aumento nos índices de furto, dar um gás para tentar identificar os principais furtadores, juntar provas, pedir preventivas e tirar de circulação. Isso aí levou a queda desses índices. E quando eles são soltos, aumenta. É um ciclo”, afirma Fleury.
Após o pico de março e abril registrado neste ano, dois principais suspeitos foram presos. “A gente começa a ver quem tá na rua e está furtando na cidade.” Conforme o delegado de polícia, a maioria dos acusados por furtos tem envolvimento com drogas. Muitos subtraem objetos para trocar por entorpecentes.
Descuido
O delegado Gustavo Fleury destaca que em muitos casos registrado, as vítimas acabam sendo descuidadas e deixam uma porta ou uma janela da casa (ou do carro) aberta. “Em quase 40% dos casos as vítimas cometem um descuido. As pessoas tem que ter mais cuidado. Não dá para deixar uma janela aberta.”
Um crime difícil de investigar
Para a Polícia Civil, o crime do furto é difícil de investigar, principalmente pela falta de testemunhas. Há uma grande quantidade de casos de furtos que não foram elucidados devido à falta de provas.
Porém, que uma ferramenta importante na investigação são as câmeras de videomonitoramento, que ajudam a identificar os suspeitos. “A grande maioria dos casos em que conseguimos prisão por furto foi porque conseguimos identificar os acusados por meio de imagens de câmeras de vigilâncias. Então, é importante que as pessoas invistam nisso.”
Registre a ocorrência
Por fim, o delegado de Polícia reforça a necessidade de registrar as ocorrências, uma vez que os indicadores criminais são utilizados para organizar o policiamento ostensivo em Panambi e quais locais necessitam de maior atuação policial. O documento também ajuda a Polícia Civil a na investigação para capturar os responsáveis e prevenir que mais furtos ocorram.