Operação comandada pela Draco de São Luiz Gonzaga prende integrantes de organização criminosa que falsificava e vendia cigarros

Uma investigação policial iniciada há cerca de dois meses e comandada pela DRACO de São Luiz Gonzaga, e que contou com a ação coordenada dos serviços de inteligência da Polícia Civil, BM, PRF, PRE e Receita Federal, logrou identificar um grupo criminoso sediado no Mato Grosso do Sul e que atua na falsificação de cigarros. A Polícia Civil estima que o grupo preso ontem de noite movimentava cerca de 1 milhão e meio de reais por semana, causando prejuízos fiscais e sanitários incalculáveis, já que não recolhia impostos e fabricava cigarros sem as mínimas condições de higiene.
Um dos presos ontem era um homem foragido do presídio de Sarandi no mês de junho de 2019 e que atuava como uma espécie de “gerente gaúcho” da organização criminosa. A quadrilha usava diversos haras para a criação de cavalos no RS para disfarçar a movimentação financeira milionária.
O preso foragido e capturado ontem usava documentos adulterados. A Polícia acredita que os documentos – autênticos, pois com os dados de um morador de SC – foram adulterados com o auxílio do titular do documento e um funcionário do DETRAN de SC ou órgão de identificação do PR.
O Delegado Heleno destaca que a adulteração é tão bem feita que ao consultar nos sistemas policiais, a fotografia do foragido aparece como sendo a do verdadeiro titular dos documentos. O foragido, inclusive, já havia sido abordado pelas polícias e liberado em outras regiões, pois a fotografia dele aparecia ao ser consultado no sistema eletrônico policial.
Na manhã desta sexta-feira, como sequência das investigações, a DRACO de São Luiz Gonzaga coordenou buscas em haras, galpões, empresas e residências em diversas cidades do RS, tais como Canoas, Nova Santa Rita, Caibaté, São Borja, Caçapava, Cachoeira do Sul, Sobradinho e outras.
O Delegado Regional de São Luiz Gonzaga, Afonso Stangherlin, destacou que ações integradas deste tipo fazem parte de uma diretriz da Chefia de Polícia e devem ser adotadas como regra em razão dos efeitos positivos que vêm alcançando.
As investigações ainda apontam que esse esquema de venda e fabricação de cigarros falsificados são comandados por uma organização criminosa sediada no Mato Grosso do Sul, que também explora o tráfico de drogas. As provas coletadas em poder do foragido preso ontem reforçam ainda mais essa linha de investigação.
As ações realizadas nesta sexta-feira ainda contaram com o apoio da Delegacia do Consumidor do DEIC e diversos outros órgãos policiais da PC, PRF e BM. Diversos veículos e documentos foram apreendidos.

Fotos: Polícia Civil – Divulgação
Fonte: Observador Regional

Deixe uma Resposta

  
 WhatsApp