JBS refuta acusações que levaram a interdição em Passo Fundo

Interditada desde sexta-feira (24), o frigorífico da JBS enviou à Rádio Sulbrasileira uma nota de esclarecimento sobre a situação. A reportagem procurou a empresa tão logo contatou o Ministério Público do Trabalho do Rio Grande do Sul (MPT-RS).

No documento, a JBS refuta as denúncias apresentadas e afirma estar “confiante” quanto as medidas de segurança adotadas para prevenir o contágio de Covid-19. Leia o texto na íntegra:

A JBS refuta as informações do auto de infração em Passo Fundo e está confiante na segurança das medidas adotadas com o objetivo de prevenir o contágio da Covid-19 e proteger cada um dos seus colaboradores. 

A empresa esclarece que os seus protocolos atendem em 100% as orientações da Secretaria do Trabalho (Ministério da Economia) para o setor frigorífico. Ao contrário do auto de interdição que extrapola o protocolo da Secretaria do Trabalho, as ações implementadas pela JBS estão totalmente amparadas em laudos e recomendações técnicas dos órgãos de saúde e de especialistas da área médica, incluindo a Consultoria do Hospital Alberto Einstein, contratado pela JBS para apoiar em todas as ações voltadas aos seus colaboradores na área de prevenção e segurança contra a Covid-19, conferindo ainda mais qualidade técnica e segurança aos protocolos implementados pela empresa e que incluem, entre outras ações:   

·         Desinfecção diária e periódica de todas as instalações da empresa;  

·         Medição de temperatura de todos os colaboradores antes de acessarem a unidade; 

·         Afastamento das pessoas do grupo de risco; 

·         Inclusão de novos EPIs para uso permanente, como introdução de máscaras acrílicas; 

·         Obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção para 100% dos colaboradores, incluindo a área administrativa; 

·         Adoção de medidas de distanciamento social; 

·         Vacinação contra gripe H1N1 para todos os colaboradores, entre outras ações. 

 A proteção dos colaboradores sempre foi o primeiro objetivo da JBS, desde o início da pandemia da Covid-19. A empresa segue pautada por esse princípio e confia em que as atividades em Passo Fundo serão retomadas brevemente. 

Saiba mais

De acordo com o MPT-RS, o frigorífico JBS foi interditado por expor seus trabalhadores ao risco de contágio de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. Passo Fundo vive um surto, com mais de 100 casos confirmados e nove óbitos.

Durante a fiscalização, iniciada na quarta-feira passada (22), foram constatados, até a noite de quinta-feira (23), 19 casos de trabalhadores confirmados com contaminação de Covid-19 e duas mortes de parentes dos empregados.

Dados da Secretaria Estadual de Saúde, atualizados na sexta-feira passada (24), apontavam que a empresa possui 20 empregados confirmados, três contatos próximos confirmados, quinze empregados suspeitos e quatro contatos próximos suspeitos. Além disso, apenas entre os dias 11 e 22 de abril, segundo informações da empresa, houve afastamento de 117 trabalhadores com suspeita de coronavírus.

Conforme os prontuários analisados, foi constatado, por exemplo, caso de trabalhador com diversos sintomas característicos de Covid-19 sendo diagnosticado apenas por exame clínico como caso de quadro de resfriado comum, sendo enviado imediatamente de volta ao trabalho com medicamentos apenas para atenuar os sintomas.

Em outro exemplo, trabalhadora afastada por 14 dias por suspeita de Covid-19 e seu cônjuge, que inclusive apresentava sintoma compatível com Covid-19 (dor de garganta), não foi afastado e seguiu trabalhando normalmente, inclusive se utilizando do ônibus da empresa para deslocamento.

Além disso, no dia 18 de abril, sábado, o MPT ajuizou ação civil pública (ACP) com pedido de tutela de urgência em caráter antecipado. Ainda aguardam decisão do juízo. Antes, foi instaurado inquérito civil (IC), devido a denúncias, comprovadas com fotos e vídeos, de que a JBS não evitava contato interpessoal, nem adotava medidas preventivas adequadas. Para a empresa manter as atividades, era necessário observar as regras indicadas pelas autoridades sanitárias.

Deixe uma Resposta

  
 WhatsApp