Governo do RS divulga calendário para pagamento do IPVA 2020

O governo do Rio Grande do Sul divulgou nesta quinta-feira (12) o calendário com os prazos para a contribuição do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2020. O pagamento com desconto começa a partir de 17 de dezembro. Redução pode chegar a 24,92% para quem optar pela quitação antecipada.
Inicialmente, no mês passado, o estado havia antecipado o vencimento do IPVA e suspendido o parcelamento. Um dia depois da decisão, o governo voltou atrás.
Quem optar pelo pagamento antecipado deve realizar a quitação até o dia 30 de dezembro. Nesse caso, o contribuinte tem desconto de 3% e ainda pode pagar com base no valor da Unidade de Padrão Fiscal (UPF-RS) do ano de 2019. Na virada do ano, há atualização do valor, estimada em 3,35%.
Segundo o governo, quem não fizer a quitação antecipada também pode ter descontos no parcelamento do imposto. Para isso, o proprietário do veículo precisa pagar a primeira parcela até 31 de janeiro. As próximas duas serão: em fevereiro, até o dia 28, e março, até o dia 31. Os descontos são de 3% para a primeira parcela, 2% para a segunda e 1% para a terceira.
Outra opção é pagar a totalidade do imposto até a data de vencimento por placas no mês de abril. Confira as datas abaixo em relação ao final da placa:
1 º de abril – final 1
3 de abril – final 2
6 de abril – final 3
8 de abril – final 4
13 de abril – final 5
15 de abril – final 6
17 de abril – final 7
22 de abril – final 8
24 de abril – final 9
27 de abril – final 0
Outros descontos
Para obter o desconto máximo do IPVA, o contribuinte precisa levar em conta também as vantagens do Bom Motorista e do Bom Cidadão. Os condutores que não receberam multas nos últimos três anos terão dedução de 15% no valor do tributo. Para quem não foi multado há dois anos, o índice é de 10%, e para quem ficou um ano sem infrações, o abatimento é de 5%.
O desconto do Bom Cidadão, por sua vez, dará aos proprietários de veículos inscritos no programa Nota Fiscal Gaúcha desconto de 5% para os que acumularam no mínimo 150 notas fiscais com CPF, 3% para os que tiveram entre 100 e 149 notas e 1% para quem acumulou entre 51 e 99 notas.