Fecolônia inicia edições especial e valorização da economia local

Apesar das mudanças causadas pela pandemia, a Fecolônia inicia nesta terça-feira (1º/9) em uma edição especial com o mesmo objetivo dos anos anteriores: desenvolver a economia local por meio da valorização e do incentivo ao consumo das agroindústrias familiares, do artesanato e dos produtores de flores de Panambi.

A Feira do Produtor, que passou por reformas e ampliação, será o local do evento pelos próximos 27 dias. De terça-feira à domingo, das 9h às 12h e das 14h às 19h, a população poderá visitar o espaço para conferir os produtos dos feirantes.

“Cada dia na feira é uma novidade. Cada dia tem gente diferente na feira, outra turma, outros feirantes no interior, com artesanato diferente”, afirma o secretário do Desenvolvimento Econômico e Ambiental, Rafael Jacques de Oliveira. “Graças as pessoas que acreditam e valorizam o trabalho do agricultor, do homem do campo, é que conseguimos idealizar e criar uma Fecolônia especial.”

Para evitar aglomerações, os treze boxes da feira receberam sinalizações específicas, respeitando os protocolos saúde e prevenção da Covid-19.

“A Fecolônia está um pouco diferente, se adaptando à realidade que estamos vivendo nesse momento”, ressaltou o vice-presidente da Cotripal, Tiago Sartori.

Representantes dos patrocinadores da Fecolônia – Banrisul, Cotripal e Sicredi – estiveram presentes na abertura do evento.

Matheus Malheiros, do Banrisul, elogiou as reformas na feira e espera que os produtores rurais façam bom proveito do negócio e muitos negócios. “Um dos motivos que fez o banco durar tantos anos é porque investiu no produtor rural e no interior.”

O vice-presidente Sicredi das Culturas, Elmo Pedro Von Mühlen, ressaltou a importância de investir na agroindústria. “Não deixa de ser uma alegria participar dessa Fecolônia. Onde existe desenvolvimento, o Sicredi está presente. Estamos investindo bastante na agricultura sabendo que se a agricultura vai bem, toda a comunidade vai bem também.”

“Venham visitar a Fecolônia, respeitando todos os protocolos da pandemia. Não deixem de prestigiar e apoiar o nosso produtor. No final, quem sai ganhando é a comunidade”, reforçou o vice-presidente da Cotripal, Tiago Sartori.

Para ele, o evento é uma forma de incentivar a agricultura familiar, que por meio de seus associados, é um importante parceiro da cooperativa. “Mais de 50% de todos os produtos comercializados dos supermercados da Cotripal provém da agricultura familiar, do nosso associado, da agroindústria aqui. Acho que isso é uma forma de incentivar e tornar isso cada vez mais forte na região.”

Por considerarem uma atividade essencial, a Cotripal vem desenvolvendo projetos para garantir a prosperidade no campo e a sucessão familiar.

Um destes trabalhos é o Terra do Futuro, que incentiva filhos de produtores a permanecer no meio rural por meio de uma bolsa de estudo em colégios agrícolas. “Isso traz uma forma de trazer novas tecnologias, fomentar novos meios de desenvolver a agricultura e manter cada vez mais ativo. A Cooperativa se preocupa, não só em permanecer o jovem no campo, mas que isso se tenha rentabilidade e sustentabilidade. Esse é um trabalho que a Cotripal desenvolve, até mesmo comercializando os produtos que a nossa agricultura familiar produz.”

A Fecolônia é uma realização da Prefeitura de Panambi, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, a Emater e o Governo do Rio Grande do Sul, e conta com patrocínio do Banrisul, Sicredi e Cotripal.

Deixe uma Resposta

  
 WhatsApp