Em Porto Alegre, isolamento social reduziu poluição em até 75%

Assim como outras cidades pelo mundo, Porto Alegre está sentindo os impactos das paralisações decorrentes do coronavírus (Covid-19). Desde que o isolamento domiciliar se tornou necessário, a poluição na cidade teve uma redução de 22% para as partículas com até 2,5 micrometros – de 12,3 µg/m3 para 9,5 µg/m3 –, que são as mais nocivas para a saúde. Também houve redução de até 75%  – de 40 µg/m3 para menos de 10 µg/m3 – nas partículas entre 2,5 e 10 micrometros, também inaláveis, mas que representam menor risco para as pessoas.

“Não se trata de gases poluentes, mas sim partículas extremamente prejudiciais à saúde. As que possuem até 2,5 micrometros podem chegar aos pulmões e circular por todo o organismo”, alerta a coordenadora do Laboratório de Poluição Atmosférica da UFCSPA, Cláudia Rhoden.

A análise é do projeto Porto Ar Alegre, do Pacto Alegre, que conta com cinco monitores da qualidade do ar localizados nas regiões dos bairros Rubem Berta, Santa Cecília, Centro Histórico, Humaitá e Restinga. Eles medem as concentrações de material particulado ao nível do solo. Foram considerados dados anteriores ao isolamento (entre 16 de fevereiro e 15 de março) e após (16 de março a 14 de abril).

“O monitoramento das mudanças dos indicadores de qualidade do ar evidenciam a importância das emissões do transporte, por exemplo, no quadro das grandes cidades. Com a redução da mobilidade, devido a essa indesejável crise, tivemos uma forte e clara redução de particulados e uma melhoria nos índices de qualidade do ar em Porto Alegre”, analisa o diretor da Escola de Engenharia da UFRGS e Coordenador do Pacto Alegre, Luiz Carlos Pinto da Silva Filho.

Fonte: Prefeitura de Porto Alegre

Deixe uma Resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

  
 WhatsApp
 Baixe o aplicativo Sul Brasileira
X