Novos documentos que podem comprovar crimes de apropriação indébita, lavagem de dinheiro e organização criminosa praticados em Passo Fundo foram apreendidos pela Polícia Civil na cidade e nos municípios catarinenses de Florianópolis e Itapema durante a Operação Confiança. Deflagrada nesta terça-feira (03) pela Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) da cidade, a ação tem como principal investigado um advogado que representa ex-acionistas da Companhia Riograndense de Telecomunicação em demandas ajuizadas contra a CRT – empresa que foi sucedida pela Brasil Telecom S/A.

Algumas ações foram ajuizadas na Comarca de Passo Fundo e Porto Alegre e a execução dos créditos dos ex-acionistas começou em 2005. Em um número expressivo de ações, o advogado formalizou acordos judiciais que chamaram atenção por diversos motivos: renúncia de até 90% do crédito postulado na execução da sentença, acordos formalizados por valores inferiores ao montante homologado e texto padrão das minutas semelhante aos acordos firmados num caso investigado há alguns anos em Passo Fundo.

Em alguns casos, o advogado reconheceu ter prejudicado os clientes e se comprometeu a liquidar os débitos de forma parcelada. Entretanto, os pagamentos não ocorreram, e hoje a dívida ultrapassa os R$ 2.500.000,00 – somente com os clientes onde houve acordo reconhecendo a apropriação dos valores. Estima-se que o advogado tenha se apropriado de mais de R$ 4 milhões. Ele fugiu depois que começaram as cobranças e ocultou seu patrimônio com terceiros.

Deixe uma Resposta

  
 WhatsApp