Avanço em vacina contra covid-19 aumenta esperanças

O possível avanço de segunda-feira (9) na corrida para desenvolver uma vacina contra a covid-19 fez governos buscarem o desafio logístico de distribuir centenas de milhões de doses, assim que se tornarem disponíveis nos próximos meses.

Dados de testes provisórios mostraram que a vacina experimental desenvolvida pela Pfizer e pela alemã BioNTech é 90% eficiente, despertando esperanças de um fim para a pandemia, que já custou mais de 1 milhão de vidas e devastou as maiores economias do mundo.

Como os dois grupos esperam produzir cerca de 50 milhões de doses até o fim do ano e 1,3 bilhão no ano que vem, supondo uma aprovação regulatória, o ministro da Saúde da Alemanha, Jens Spahn, disse que a vacina é “luz no fim do túnel”.

Tanto os Estados Unidos quanto a União Europeia têm acordos para garantir centenas de milhões de doses do produto, mas as autoridades precisarão de uma logística e um planejamento sofisticados para fazer com que sejam distribuídas eficazmente.

A BioNTech disse que planeja atribuir à vacina de duas doses preços abaixo das “taxas típicas do mercado” e que diferenciará os preços entre países e regiões.

Mas a vacina precisa ser transportada e armazenada a menos 70 graus Celsius – o que, por ora, a coloca fora do alcance de muitos países pobres da Ásia e de outras localidades que carecem dos equipamentos de refrigeração necessários.

Como exige temperaturas dignas de um inverno antártico, é provável que precise de locais de vacinação centralizados, disseram especialistas de saúde suíços nessa terça-feira.

“A notícia empolgante de segunda-feira, sobre uma possível vacina eficiente se tornar disponível, significa desafios de cadeias a frio para países africanos pelo tipo de vacina que ela é”, disse Matshidiso Moeti, diretor regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a África, em uma reunião ministerial. “O que terá que ser levado em conta no apoio a ser fornecido”, acrescentou.

Caixas térmicas preservariam as temperaturas ultrabaixas durante até dez dias em locais de temperatura ambiente de até 25º C se não forem abertas, e 15 dias se forem abertas e depois recongeladas, disse a BioNTech em slides de apresentação.

Como anunciado anteriormente, a vacina pode ser mantida durante até cinco dias sob temperaturas de geladeira.

Especialistas em logística da Europa disseram dar conta dos desafios do armazenamento ultrafrio. “A distribuição não fracassará por causa da logística”, disse Frank Appel, executivo da alemã Deutsche Post, a jornalistas.

Ministro do STF pede informações sobre estágio de vacinas de covid-19

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou hoje (10) que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) preste informações em 48 horas sobre os estudos e o estágio de aprovação das vacinas contra a covid-19.

A determinação do ministro foi motivada pela decisão da Anvisa de suspender estudos clínicos da vacina Coronavac, uma das que estão em estudo contra o novo coronavírus. A suspensão ocorreu por causa de um “evento adverso grave” ocorrido. Lewandowski é relator de duas ações de partidos de oposição que pedem a definição de um plano para compra de vacinas e de imunização da população. 

“Determino à Anvisa que, no prazo de 48 horas, observado o âmbito de sua autonomia técnica, preste informações complementares àquelas já ofertadas pela Presidência da República e pela Advocacia-Geral da União (AGU), acerca dos critérios utilizados para proceder aos estudos e experimentos concernentes à vacina acima referida, bem como sobre o estágio de aprovação desta e demais”. decidiu Lewandowski. 

Mais cedo, durante coletiva de imprensa, o presidente da agência reguladora, Antonio Barra, disse que a decisão foi tomada pela área técnica da Anvisa a partir de informações encaminhadas ao órgão pelo Instituto Butantan, laboratório que conduz os estudos da Coronavac no Brasil. Ainda não há previsão de retomada dos testes.

Em outra coletiva de imprensa sobre o assunto, em São Paulo, na manhã de hoje, o Instituto Butantan afirmou que o evento foi reportado detalhadamente à Anvisa no último dia 6. O voluntário teria recebido a dose no dia 29 de outubro, 25 dias antes de o evento adverso acontecer. Por causa de um ataque hacker, no entanto, a Anvisa só recebeu as informações ontem.

Apesar de ter se referido ao evento como um óbito na noite de ontem, hoje o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, não confirmou a morte do voluntário. Ele garantiu que o evento ocorreu mais de três semanas depois da aplicação da dose e que efeitos adversos relacionados são esperados em até sete dias.

Para Covas, o anúncio da suspensão dos estudos clínicos foi precoce e não há motivo para a interrupção. “Aqueles que estão participando que continuem tranquilos. A reação não tem relação com o que eles receberam, eles não terão nenhum tipo de efeito adverso, isso eu afianço a eles”, declarou.

Fonte: Agência Brasil

Deixe uma Resposta

  
 WhatsApp