Professores são agredidos por mãe de aluno em escola de Cruz Alta

Ontem, quarta-feira (10) pela parte da manhã, a equipe da Secretaria Municipal de Educação foi até uma escola do bairro Acelino Flores em Cruz Alta, pois recebeu a informação de que professoras haviam sido agredidas fisicamente.
A mãe de um aluno foi chamada para ir até a escola para conversar sobre o desempenho de seu filho na sala de aula. Descontente com o alerta que os professores fizeram, ela acabou proferindo agressões físicas e verbais para cima dos mesmos, sendo que a mãe empurrou uma professora fazendo com que ela caísse no chão. Quando uma outra professora tentou intervir a situação, a mãe do aluno acabou tomando seu telefone e jogando o mesmo no chão, pisando em cima e quebrando o aparelho celular. Ela ainda agrediu esta professora, puxando seus cabelos. Se já não bastasse isto, a mãe tentou ainda arrombar uma sala de aula onde havia uma professora grávida dando chutes e pontapés na porta. A situação só não foi maior pois houve a intervenção de outros setores da escola para acalmar o fato.
De imediato a Secretaria Municipal de Educação (SME) providenciou atendimento psicológico e de assistência social à equipe da escola, além de um guarda para proteger o local e resguardar os funcionários e alunos. A SME emitiu uma nota dizendo que: “..trabalhamos sempre para que as escolas sejam integradas com a comunidade em uma ação conjunta entre sociedade, família e educação. Acreditamos que tal atitude seja um caso isolado, pois a maioria das famílias entende a importância da instituição escolar, seu papel e o papel das professoras. A secretaria segue prestando apoio psicológico e tomando os encaminhamentos para garantir que as professoras tenham tranquilidade em exercer sua função. O Professor em sala de aula leva o conhecimento e é um observador da realidade do aluno, sempre doando o máximo de si para auxiliar os que necessitam. Todos os professores, além das direções e da Secretaria Municipal de Educação, estão permanente à disposição para conversar com os pais para esclarecer qualquer dúvida ou resolver qualquer situação. Dentro desta função ele deve ser ouvido e respeitado. Violência jamais será a solução. Contamos com o apoio da comunidade para que abracem suas escolas, seus alunos e seus professores”, complementa a nota da Secretaria de Educação.
Após este registro, a escola optou por não atender hoje e amanhã para que as crianças tentem se recuperar deste choque, e também tendo o objetivo que a comunidade entenda que o respeito deve ser vindo de casa para que tenhamos uma sociedade boa para se conviver. As professoras e direção foram ouvidas e orientadas a encaminhar um Boletim de Ocorrência. A Brigada Militar e representantes das associações de moradores também foram até o local para prestar apoio.
O caso segue sendo investigado para mais esclarecimentos do fato.

Fonte: Rádio Cruz Alta