Índice de reajuste do IPTU em Panambi deve ficar em torno de 3%


O secretário Municipal da Fazenda, Sergio Degen confirmou esta manhã de que já foi informado pelos vereadores independentes e da situação de que vão votar contrário a ao Projeto de Lei 152/2017 de autoria da Prefeitura de Panambi, o qual autoriza o Poder Executivo a atualizar a Planta Genérica de Valores que servirá de base de cálculo do imposto sobre a propriedade predial e territorial urbana e imposto territorial rural vai ser rejeitado por unanimidade.
De acordo como secretário, a posição dos vereadores deve ser respeitada, reconhecendo que Administração Municipal e Poder Legislativo são dois poderes distintos
Sergio Degen, salientou que, com a rejeição anunciada pela situação, oposição e vereadores independentes, a Administração Municipal vai encaminhar novo projeto de reajuste do IPTU com base a inflação deste ano.
O índice projetado é ao redor de 3%.
O secretário municipal da Fazenda reiterou que o projeto de atualizar a Planta Genérica de Valores foi encaminhado ao Poder Legislativo em razão dos apontamentos do Tribunal de Contas do Estado, mas, em nenhum momento foi feita qualquer pressão para os vereadores votarem a favor do projeto, já que cada legislador tem isonomia para manifestação o desejo de seus eleitores através do voto, independentemente de ser situação, oposição ou de ter posição independente.

Os vereadores Ibrahim Chagas do PSDB e Clarice Morche do PTB participaram do programa Alo Comunidade desta manhã e afirmaram que independente do anuncio dos vereadores da base do governo de rejeitar o projeto que altera o valor venal dos imóveis de Panambi, a audiência pública marcada para a próxima quarta-feira vai acontecer. O encontro será na sede da Câmara com início às 19h30.
Para os dois vereadores, a manifestação do líder do governo Lauro Michels teve como objetivo “ esvaziar” a audiência pública que consideram importante a sua realização , garantindo que o debate vai acontecer , uma vez que o projeto é bastante complexo e os contribuintes devem ser ouvidos, pois cedo ou tarde caso rejeitado ,ele vai retornar à Câmara. Diante disso consideram fundamental a presença
Apelaram, para que a população participe, uma vez que, o mesmo o projeto sendo rejeitado este ano ele deve retornar em 2018.