Dia das crianças! Bebês da UTI neonatal da Unimed recebem os pais como super-heróis


Se na ficção os Super-Heróis vencem as mais difíceis batalhas, na UTI Neonatal do Hospital Unimed Noroeste/RS esta luta é pela vida. Eles são “Super-Pequenos”, mas ao mesmo tempo “Super-Fortes”. Afinal, bebês prematuros precisam ser guerreiros e desenvolvem uma força imensa para lutar pela vida mesmo no ambiente de uma UTI em seus primeiros dias.
Estes bebês têm a sua volta pais que precisam também ser fortes e profissionais que atuam no cuidado integral, demonstrando conhecimento técnico e profundo envolvimento. Por isso, nada melhor do que lembrar de Super-Heróis para marcar o Dia das Crianças também neste ambiente. “Roupas em feltro” foram preparadas pela equipe da UTI para celebrar a vida destes “Super-Bebês”. Vestidos como Mulher Maravilha, Mulher Gato, Capitão América, Batman e Super-Homem eles foram homenageados por essa intensa luta pela vida, emocionando familiares, médicos e colaboradores. Momento especial também para a pequena Lara, de 6 anos, que mora no hospital por uma doença rara e recebeu fantasia e todo carinho nesta data tão especial.
Uma surpresa e tanto para os pais, que foram recebidos com a novidade ao chegarem à UTI Neonatal. “Nossa intenção é que os pais e os bebês sintam-se acolhidos através da atenção humanizada que lhes é proporcionada, amenizando este período mais frágil de suas vidas”, explica a coordenadora do Serviço de Fisioterapia, Fabiane Mazurana.
E foi este o sentimento do pai Diego Jülg, ao ver a filha Sara Karina, de 6 dias, vestida com a capinha de Mulher Maravilha. “É emocionante. A gente se emociona todos os dias pela evolução deles. Temos certeza de que estão bem cuidados. Isso nos deixa tranquilos. Vemos o amor e a dedicação das pessoas envolvidas”. A mãe Rosilaine Jülg diz ter sido um “sentimento muito bom”. Ela reconhece o cuidado do Hospital no acolhimento também aos pais. “Teve uma preocupação em proporcionar algo diferente, além do trabalho rotineiro, trazer algo a mais”, aponta Rosilaine.
Emoção foi o sentimento compartilhado também por Taís Zembruski, mãe do Rafael, de 10 dias. O pequeno aguardou os pais vestido de Batman. “Eles são realmente Super-Heróis. Desde pequenos são guerreiros”. A surpresa ficou completa quando os pais receberam uma marquinha no braço, feita com o pezinho do bebê, como lembrança de um momento marcado por sorrisos e lágrimas de alegria.
Reconhecidos como heróis, guerreiros, enfim, uma série de adjetivos podem representar estas “Super-Fofuras” desde o início da vida. Passam dias longe dos pais, em cuidado intensivo dentro do Hospital. Rodeados por equipamentos e técnicas invasivas, esta é uma das maneiras de tornar o ambiente mais leve, lúdico, reforçando o aconchego e a humanização do atendimento. “Toda atenção lúdica é troca de informações, de carinho. Os pais passam carinho e o bebê responde”, reforça o pediatra neonatologista Luís Jacques Soares, coordenador da UTI Neonatal do Hospital Unimed. “Quem trabalha com bebês sabe que quando temos um tempo maior para pegá-los no colo, eles mamam melhor, ficam mais quietinhos. Não precisamos dar analgésico, calmante, é só o aconchego. Isso é uma troca, transmitindo carinho para o bebê e ele reagindo”, complementa o médico.

Comentários